Ato suprapartidário emociona na data em que Eduardo Campos completaria 50 anos

10342450_834571793267185_4130997738048132176_n

Para homenagear Eduardo Campos, na data em que estaria completando 50 anos, o PSB realizou grande ato suprapartidário, em Recife, Pernambuco. Cerca de mil e quinhentas pessoas, entre familiares, líderes políticos, artistas, militantes e admiradores do socialista se reuniram na manhã desta segunda-feira (10) em evento marcado por músicas e discursos emocionados.

Ao iniciar as homenagens, o presidente do PSB Nacional, Carlos Siqueira, lembrou a capacidade de diálogo, articulação, aglutinação que Eduardo Campos possuía, ressaltando que o ex-governador segue inspirando o PSB: “Eduardo provou que é possível fazer a política de frente para o povo. É possível fazer a gestão pública e melhorar a vida das pessoas”, disse. Siqueira falou ainda sobre a falta que o líder socialista faz a todos os brasileiros no momento difícil que atravessa o país, tanto política, quanto administrativamente. “Sei que ele teria papel relevante agora”, completou. “O sonho coletivo de Eduardo, o sonho de um país sem desigualdade social, com educação de qualidade segue vivo. Esse sonho segue vivo e não é só nosso. Esse sonho perpassa e está acima do PSB e das diferenças partidárias” finalizou.

Renata Campos fez um discurso emocionado lembrando a trajetória política de seu marido, que tinha o sonho de “revolucionar” o Brasil. “Ontem passamos o primeiro Dia dos Pais… ele que foi um grande pai”, declarou ao lado dos cinco filhos. “Hoje, celebrar seus 50 anos sem a sua presença física é muito doído. A saudade é enorme. Mas saber que sua vida, suas ideias, suas bandeiras, sua história nos trazem até aqui, nos mantêm unidos e vivos, é muito importante”, disse.

O vice-presidente do PSB Nacional e presidente do PSB gaúcho, Beto Albuquerque, lembrou que a perda do líder e amigo foi uma dor que o desanimou inicialmente, entretanto, a história de luta do socialista serve de inspiração a todos os brasileiros. “Quem conheceu Eduardo e conviveu com ele não está perdido. Sabemos para onde ir. Todos estamos chamados a seguir o legado de Eduardo”, disse. Relembrando os anos de convivência com Eduardo, Beto citou os mais de 20 anos do trabalho conjunto que desempenharam, desde a época em que compunham a Juventude Socialista Brasileira (JSB).  “Agradeço pelo discernimento e cuidado. Agradeço ainda pela coragem, pela ousadia, pelas realizações, pela alegria, pelo sorriso largo. É difícil falar sem ver Eduardo. Mas é fácil falar quando sentimos Eduardo”, disse.

O irmão de Eduardo, Antônio Campos, destacou que uma grande homenagem ao socialista ocorreu há poucos dias quando foi divulgada informação de que as escolas públicas de Pernambuco figuram entre as melhores do país.

Prefeito de Recife, Geraldo Júlio afirmou que Eduardo tinha entre suas principais qualidades a sensibilidade de entender as pessoas, bem como a capacidade de ser leal a população e aos seus eleitores. “Eduardo tinha uma capacidade de sonhar. Tinha uma ampla capacidade de transformar sonhos em realidade”, disse, ressaltando também que o líder socialista provou que é possível fazer a política de frente para o povo. “É possível fazer a gestão pública e melhorar a vida das pessoas. O que mais me alegra é inaugurar vida nas vidas das pessoas”, completou, fazendo referência ao seu trabalho à frente da prefeitura da capital pernambucana e citando frase de Eduardo.

Presidente da Fundação João Mangabeira (FJM), o ex-senador e ex-governador do Espírito Santos, Renato Casagrande, igualmente prestou homenagem à memória do socialista que neste 10 de agosto estaria celebrando 50 anos de vida. “Se não temos Eduardo com a presença, temos com o exemplo”, afirmou.

Candidata à vice-presidência da República na chapa encabeçada por Eduardo Campos, em 2014, a ex-Senadora Marina Silva defendeu que o momento é da política se reconectar com os princípios e valores da população brasileira. “Todos nós somos falhos, por isso precisamos de instituições virtuosas, precisamos ser maiores e melhores, olhando de baixo para cima. Acima de nós estão 200 milhões de brasileiros”, disse.

O governador de Pernambuco Paulo Câmara destacou que o legado de Eduardo será sempre presente. “Vamos continuar trabalhando por um Brasil melhor, pelo país que Eduardo queria construir. O Brasil depende de nós”. O socialista falou sobre os desafios políticos e econômicos do país no atual momento. “O futuro é um desafio e vai exigir de nós muita perseverança. Mas seguindo os passos que o Eduardo nos sinalizou será melhor”, conclui.

Governador do DF, Rodrigo Rollemberg, salientou que Eduardo tinha vocação para a política e sempre tinha uma atitude proativa diante dos desafios e perspectivas da vida política. “Eduardo dizia que não podemos dar intimidade aos problemas. Como ele faz falta nesse momento que vivemos”, relatou.

O evento suprapartidário em homenagem a Eduardo Campos reuniu, entre outros, o presidente do PSDB e Senador, Aécio Neves. “Eu amava, eu temia Eduardo. Em sua homenagem, não vamos desistir do Brasil”, disse, em referência à disputa pelo Palácio do Planalto em 2014. “Os governos são circunstanciais, mas o Brasil não é”. O governador de São Paulo, Geraldo Alckimin (PSDB), falou da importância do PSB, que Eduardo Campos tão bem representava, para a democracia brasileira, além de lembrar que o socialista tinha como um das principais virtudes ser ‘esperançoso’. “Vamos fazer ecoar ainda mais as palavras de Eduardo”, disse.

Ministro da Defesa e ex-governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), disse que foi um privilégio ter convivido com Eduardo Campos, citando que ambos foram governadores no mesmo período. Vagner ressaltou também a capacidade de diálogo, que sempre marcou a vida pública do ex-governador de Pernambuco. “Ele sempre foi um construtor de pontes”.

Na ocasião também foi lançado o livro “Eduardo Campos ― Os discursos do governador de Pernambuco: de 2007 a 2014”. Organizado pela Fundação João Mangabeira, a obra reúne praticamente todos os discursos de Eduardo Campos no exercício do seu mandato de governador, do dia da posse, em 1º de janeiro de 2007, à fala de despedida do governo, em 4 de abril de 2014.

O evento ocorreu no Arcádia Paço Alfândega, bairro do Recife.

Assessoria de Comunicação PSB/RS
Com informações do PSB Nacional

Leave a reply

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien