fevereiro 2015 archive

Pesquisa do IBGE aponta aumento do desemprego na Região Metropolitana

foto-blog25-e1418990310755

Notícia do blog da jornalista Giane Guerra mostra o que temos visto nos últimos meses. Temos que agir para evitar a queda de empregos. Com juros altos, inflação aumentando, dólar no maior patamar dos últimos 10 anos, a crise está consolidada. Não podemos arriscar o emprego dos trabalhadores. Se isso ocorrer, a crise se acentuará muito.

A pesquisa do IBGE apontou alta do desemprego na Região Metropolitana de Porto Alegre em janeiro, quando foi de 3,8%. Em dezembro, estava em 3,6%.

O instituto, no entanto, chama a atenção para a comparação da taxa com janeiro do ano passado. Naquele mês, estava em 2,8%, o que representa um avanço de quase 40% na taxa de desemprego.

“Em doze meses, houve queda de 7,7% na população ocupada da indústria, na Região Metropolitana de Porto Alegre.” Isso representa um corte de 31 mil postos de trabalho.

O rendimento médio do trabalhador caiu. Ficou em R$ 2.139,90.

Quem paga a conta da corrupção na Petrobras?

O Brasil está parando nas estradas. E isso não é uma metáfora. Com o protesto dos caminhoneiros, começa a haver reflexos em diversos estados brasileiros. Hoje, BA, RS, PR, SC, MT, MS, GO, PA, CE, MG e SP enfrentam os protestos. E eles têm razão de parar, de protestar, de cobrar seus direitos. O Brasil depende deles, a economia depende deles. Podemos dizer, sem exagero, que nossa economia  anda nas boleias dos caminhões de norte a sul do país. Mas o que o governo tem feito por eles?

Rodovias federais que oferecem grandes riscos de acidentes, segurança mínima nos postos de parada para descanso e mesmo nas estradas, óleo diesel aumentando e o preço do frete congelado. Como resistir a essa soma de fatores e calar? Impossível! Hoje, ouvi um dos caminhoneiros dizer em uma entrevista à rádio gaúcha: “não temos culpa da roubalheira da Petrobras. Não temos culpa e não podemos pagar pelos milhões desviados lá”. É por aí.

Para que a inflação não cresça oficialmente mais que a meta, o governo federal segura o valor do frete. Mas o valor já causa prejuízos a quem o faz. Enquanto isso, não se investe em hidrovias, em ferrovias, em nenhuma outra forma de escoamento de produção. Seguimos dependendo de estradas. E ficamos devendo infraestrutura. A conta não fecha. E jamais fechará enquanto formos governados por quem mente, omite e marcara a realidade.

Ah, mais uma vez o governo Dilma terá de correr atrás do prejuízo. Eles subestimaram o protesto, não acreditavam que vingaria, não acreditavam que tomaria conta do país. Por conta disso, não dialogaram. Precisou o Brasil parar para Dilma pensar em dialogar. E assim vamos caminhando por um caminho escuro…

Veja 10 concursos públicos com inscrições abertas no RS

17242587
Foto: Stock / morguefile

Estão abertas as inscrições para 10 concursos públicos nas seguintes cidades gaúchas: Nova Santa Rita, Uruguaiana, Ametista do Sul, Bom Princípio, Flores da Cunha, Nova Bassano, Santo Expedito do Sul, São João da Urtiga, São José do Hortêncio e Tupandi. Juntas, as seleções totalizam 111 vagas. Há cargos para todos os níveis de escolaridade, com salários de até R$ 8,1 mil.

Câmara de Vereadores de Nova Santa Rita

Vagas imediatas: 3
Nível de escolaridade: médio e técnico.
Cargos: assistente administrativo e técnico em contabilidade.
Salários: R$ 1.823,00.
Inscrições: até o dia 4 de março pelo site http://www.objetivas.com.br, no qual também é possível conferir o edital do concurso.
Taxa de inscrição: R$ 45.
Data da prova: 12 de abril.

Câmara Municipal de Uruguaiana

Vagas imediatas: 2
Nível de escolaridade: médio e superior.
Cargos: procurador jurídico legislativo e agente de patrimônio. Para a formação de cadastro reserva, há a vaga de contador.
Salários: de R$ 1.898,39 a R$ 2.961,50.
Inscrições: até o dia 19 de março pelo site http://www.fundatec.org.br, no qual também é possível conferir o edital do concurso.
Taxa de inscrição: de R$ 60 a R$ 90.
Data da prova: 12 de abril.

Prefeitura Municipal de Ametista do Sul

Vagas imediatas: 26 para o concurso público e 14 para processo seletivo.
Nível de escolaridade: todos os níveis.
Cargos: para o concurso público, há vagas de agente administrativo, assistente social, biólogo, enfermeiro padrão, engenheiro civil, fiscal sanitário, fonoaudiólogo, mecânico, médico geral comunitário, médico pneumologista, monitor, motorista, operador de máquinas, procurador jurídico, professor de educação infantil, professor de 5ª a 8ª séries nas disciplinas de educação física e inglês, técnicos de enfermagem e em segurança do trabalho. Há também a vaga de agrônomo para a formação de cadastro reserva. Para o processo seletivo, há vagas de agente visitador PIM e monitor do PIM.
Salários: de R$ 772,81 a R$ 8.122,52.
Inscrições: até o dia 23 de março pelo site http://www.objetivas.com.br, no qual também é possível conferir o edital do concurso.
Taxa de inscrição: de R$ 70 a R$ 120.
Data da prova: 10 de maio.

Prefeitura Municipal de Bom Princípio

Um vaga imediata.
Nível de escolaridade: superior em direito com inscrição na OAB/RS.
Cargo: procurador.
Salário: R$ 2.807,85.
Inscrições: até o dia 5 de março pelo site http://www.unars.com.br, no qual também é possível conferir o edital do concurso.
Taxa de inscrição: R$ 100.
Data da prova: 28 de março.

Prefeitura Municipal de Flores da Cunha

Vagas imediatas: 6 para o concurso público e 3 para processo seletivo.
Nível de escolaridade: todos os níveis.
Cargos: para o concurso público, há vagas de médico (clínico geral, ginecologista e pediatra), motorista, operador de máquinas e professor de educação infantil. Para o processo seletivo, há vagas de agente de combate às endemias e formação de cadastro reserva de agente comunitário de saúde.
Salários: de R$ 1.035,27 a R$ 5.356,17.
Inscrições: até o dia 9 de março pelo site http://www.unars.com.br, no qual também é possível conferir o edital do concurso.
Taxa de inscrição: de R$ R$ 41,90 a R$ 101,50.
Data da prova: 28 de março.

Prefeitura Municipal de Nova Bassano

Vagas imediatas: 21
Nível de escolaridade: todos os níveis.
Cargos: médico (clínico geral e pediatra), agente comunitário de saúde e doméstica. Para formação de cadastro reserva, há vagas de contador, engenheiro civil, fiscal de obras e postura, professor (artes, ciências, educação física, geografia, história, inglês, português, matemática, educação infantil e séries iniciais do ensino fundamental), assistente legislativo, auxiliar de biblioteca, monitor (alunos especiais e educação infantil), fiscal, secretário de escola e eletricista.
Salários: de R$ 1.014,00 a R$ 3.374,58.
Inscrições: até o dia 27 de fevereiro pelo site http://www.fundatec.org.br, no qual também é possível conferir o edital do concurso.
Taxa de inscrição: R$ 53,34.
Data da prova: 22 de março.

Prefeitura Municipal de Santo Expedito do Sul

Vagas imediatas: 3
Nível de escolaridade: todos os níveis.
Cargos: médico ESF, motorista e borracheiro.
Salários: de R$ 792,50 a R$ 7.011,53.
Inscrições: até o dia 8 de março pelo site http://www.legalleconcursos.com.br, no qual também é possível conferir o edital do concurso.
Taxa de inscrição: de R$ 50 a R$ 100.
Data da prova: 22 de março.

Prefeitura Municipal de São José do Hortêncio

Vagas imediatas: 7
Nível de escolaridade: todos os níveis.
Cargos: farmacêutico, médico (ginecologista/obstetra e psiquiatra), supervisor educacional, professor das séries finais do ensino fundamental (educação física e música). Para a formação de cadastro reserva, há vagas de atendente de creche, dentista, eletricista, enfermeiro, médico clínico, operador de máquina, operário, servente, técnico em enfermagem, pedreiro, psicólogo e professor das séries finais do ensino fundamental (educação artística e língua alemã).
Salários: de R$ 1.089,88 a R$ 3.923,55.
Inscrições: até o dia 26 de fevereiro pelo site http://www.unars.com.br, no qual também é possível conferir o edital do concurso.
Taxa de inscrição: R$ 41.
Data da prova: 14 de março

Prefeitura Municipal de São João da Urtiga

Vagas imediatas: 16
Nível de escolaridade: todos os níveis.
Cargos: atendente de creche, auxiliar de serviços gerais, engenheiro civil, motorista, professor de ensino fundamental séries finais (artes, ciências físicas e biológicas, língua estrangeira/inglês e matemática) psicólogo, recepcionista e técnico de enfermagem.
Salários: de R$ 783,75 a R$ 1.446,75.
Inscrições: até o dia 9 de março pelo site http://www.objetivas.com.br, no qual também é possível conferir o edital do concurso.
Taxa de inscrição: de R$ 30 a R$ 50.
Data da prova: 12 de abril.

Prefeitura Municipal de Tupandi

Vagas imediatas: 26
Nível de escolaridade: todos os níveis.
Cargos: assistente social, contador, médico do ESF/PACS, odontólogo, professor anos finais (educação física e história), professor anos iniciais, psicólogo, auxiliar de educação infantil, auxiliar de serviço bucal, agente comunitário de saúde, motorista, operador de maquinas, operário e servente. Para formação de cadastro reserva, há vagas de enfermeiro, professor anos finais (arte, ciências, geografia, inglês, português e matemática), professor de educação infantil, técnico em enfermagem e agente administrativo.
Salários: de R$ 1.088,64 a R$ 7.620,48.
Inscrições: até o dia 5 de março pelo site http://www.fundatec.org.br, no qual também é possível conferir o edital do concurso.
Taxa de inscrição: R$ 45,15.
Data da prova: 29 de março.

Se você decidiu participar de concursos agora, mas não sabe por onde começar, veja cinco dicas para principiantes. Também confira cinco páginas do Facebook que todo concurseiro precisa seguir e saiba como como se preparar melhor para as provas. Veja ainda sete aplicativos para ajudar nos estudos.

Fonte: Zero Hora

O ano que começou em 1° de janeiro

calendario1

 

Todo o ano sempre ouvimos aquela máxima: o ano, no Brasil, só começa depois do carnaval. Já não é mais nem na sexta-feria de cinzas, mas após o famoso “enterro dos ossos”. Pois, em tese, hoje seria o primeiro dia do ano. Seria se o ano não tivesse começado, de fato, em 1° de janeiro. Tanta coisa já aconteceu: governadores tomaram posse, Dilma iniciou seu segundo mandato, a conta de luz aumentou, a gasolina aumentou, a inflação aumentou, as estradas pioraram, a saúde piorou, a educação teve bilhões de reais cortados, viramos a Pátria Educadora… Ufa! Para quem acha que o Brasil só começa a funcionar agora, chega atrasado.

E não quero mais viver em um país atrasado. Não quero mais ter que dizer: “eu avisei, eu alertei”. Lembram de quantas vezes tratei aqui no blog das demissões do Porto de Rio Grande? Pois se consolidaram. Nada foi feito, apesar de ser previsível a crise. Aliás, tanta coisa é previsível, que assusta ver que quem governa o país tapa os olhos e os ouvidos.

Nenhuma grande crise surge do nada. O que vivemos no Brasil é sério, mas estava previsto. Resta saber o que faremos com os pouco mais de 300 dias que temos pela frente em 2015. Resta saber o que o governo fará com os próximos 300 e poucos dias e com o povo brasileiro. Não, meus amigos, o ano não começou hoje. Mas bem que poderíamos recomeçar e fazer a verdade a justiça serem as marcas do ano de 2015.

Dilma atrasa pagamento de R$ 17,9 bi em 4 áreas

Como bem escreveu o vice-presidente nacional do PSB, Beto Albuquerque, passado o carnaval, as máscaras do governo de fachada de Dilma começam a cair em todas as áreas. Desde outubro de 2014, ao final das eleições, Dilma começou a recuar de suas promessas e discursos de campanha. Desde então já comprovava que o Brasil da propaganda política não existia e que cometeram um grande estelionato eleitoral. 

As dificuldades de caixa enfrentadas no ano passado fizeram o governo “empurrar”, de 2014 para 2015, R$ 17,9 bilhões em contas a pagar de custeio nas áreas de Saúde, Trabalho, Educação e Assistência Social. É o que mostra levantamento realizado pelo consultor Mansueto Almeida no Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), onde são registrados os gastos do governo federal.

Os atrasados englobam desde gastos com administração até itens como bolsas de estudo, assistência hospitalar e ajuda a deficientes e idosos.

Também são afetados programas como abono e seguro-desemprego, alvo de medidas de ajuste que estão em análise no Congresso Nacional. A quitação dos atrasados tem sido lenta, segundo mostram os números. Por um lado, porque o Orçamento da União deste ano não foi ainda aprovado pelo Congresso. O governo tem aproveitado a demora para executar seu ajuste, pagando o correspondente a 1/18 por mês para custeio e transferências, ao contrário do que faz em condições semelhantes, quando desembolsa 1/12. Por outro lado, porque a arrecadação tem se mantido fraca.

Segundo o levantamento, o adiamento de despesas em Educação chegou a R$ 6,6 bilhões. Entre os programas prejudicados, estão os de ensino profissional, como o Pronatec, com R$ 700,7 milhões pendentes de 2014 para 2015. Na educação básica, os restos a pagar somam R$ 1,194 bilhão. Durante a campanha eleitoral do ano passado, a então candidata à reeleição Dilma Rousseff costumava enaltecer o Pronatec como o grande programa profissionalizante que o Brasil vinha mostrando ao mundo. E, ao tomar posse, prometeu fazer do Brasil uma “Pátria educadora”.

Na área de Saúde, as contas de custeio adiadas chegam a R$ 5,4 bilhões. Só na área de assistência hospitalar e ambulatorial, foi R$ 1,278 bilhão. A vigilância epidemiológica teve adiados gastos de R$ 810 milhões.

Custeio. Há até mesmo um atraso documentado, segundo constatou a ONG Contas Abertas. No dia 29 de dezembro, o Fundo Nacional de Saúde (FNS) informou que adiaria para janeiro o pagamento de 30% da parcela de dezembro do Teto Financeiro da Média e Alta Complexidade, paga aos Estados, municípios e ao Distrito Federal. “É preocupante que os restos a pagar em custeio tenham crescido tanto”, comentou Mansueto, um estudioso da política fiscal brasileira.

Os gastos de custeio passados de um ano para o outro em toda a administração, que eram de R$ 28,2 bilhões em 2010, atingiram R$ 98,8 bilhões em 2015, um salto de quase R$ 20 bilhões sobre o ano anterior. E essa é só uma parte das despesas que passaram de um ano para o outro.

No total, os restos a pagar herdados pela atual equipe somaram R$ 226 bilhões, se forem adicionados os gastos com pessoal e investimentos.

Dados preliminares indicam também que o governo é lento em colocar essas contas em dia. Procurado, o Ministério da Fazendo não respondeu ao pedido de entrevista.

Fonte: Estadão

Trânsito mata 30% menos

As rodovias do Estado registraram 16 mortes no feriadão. A notícia é triste, mas também traz esperança: o índice reduziu 30% em relação ao ano anterior e mais de 50% sobre 2013, com 23 e 33 mortes, respectivamente, conforme levantamento da Agência RBS. Entre os veículos envolvidos, 66% são motocicletas e caminhões, apesar de, juntos, representarem menos de um quarto da frota em circulação no RS.

Desde 2009, o índice não era tão baixo. As 13 mortes computadas há seis anos foram seguidas de picos acima de 30 vítimas em 2010 e 2013, apontando que oscilações não são incomuns.

– É cedo para falar em tendência de queda. Melhor falar em estabilização – avalia o professor de transportes da Escola de Engenharia da UFRGS, João Fortini Albano.

Entre os possíveis motivos para a estabilidade, estão multas mais pesadas para excesso de velocidade e ultrapassagem perigosa (principais causas de morte), fiscalização ostensiva e conscientização.

– Os policiais perceberam que este foi um feriado ainda mais movimentado, mas o comportamento dos motoristas vem sendo mais prudente – diz o inspetor Alessandro Castro, chefe de comunicação do Polícia Rodoviária Federal.

MOTOS E CAMINHÕES SOMAM MAIOR ÍNDICE DE ACIDENTES

Dos 22 veículos envolvidos em acidentes fatais, havia oito caminhões e seis motos. Na manhã de ontem, por exemplo, a colisão entre dois caminhões e um ônibus matou um dos condutores, na RSC-287, em Montenegro. Segundo Albano, fatores como sobrecarga podem colaborar para colisões mais perigosas com caminhões.

Ontem, o Detran divulgou o número de 20 mortes no feriadão. A diferença em relação aos dados da Agência RBS ocorre porque a contagem da autarquia vai da 0h de sexta-feira até meia-noite de terça. A agência reuniu casos entre 12h de sexta e o meio-dia de ontem.

Bebida e direção: justiça e impunidade seguem vencendo

17222186
Foto: Polícia Rodoviária Federal / Divulgação
Duas notícias chamaram minha atenção nesses dias de carnaval:

1. Os acidentes de trânsito mataram pelo menos 20 pessoas durante os cinco dias de carnaval nas estradas do Rio Grande do Sul. Ao todo, 285 motoristas também foram flagrados dirigindo embriagados no mesmo período. Segundo o Detran-RS, foram 741 acidentes de trânsito, 15 com vítimas e mais de 300 com algum tipo de lesão aos envolvidos. No total, mais de 430 pessoas ficaram feridas nas rodovias do estado. A operação ainda registrou 6,8 mil testes do bafômetro aplicados. As ações contra embriaguez ao volante resultaram 119 motoristas enquadrados em crime de trânsito. Quase 86 mil veículos foram fiscalizados, o que gerou 18 mil infrações flagradas pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), Comando Rodoviário da Brigada Militar (CRBM) e Brigada Militar (BM). Mais de 1,2 mil carros e 580 CNHs irregulares foram recolhidas.

2. Em todas as cadeias do Rio Grande do Sul, há apenas UM único condutor preso sob a acusação de homicídio de trânsito.

O que acontece com as pessoas que saem por aí dirigindo bêbadas? Pelo jeito, nada. Não importam as campanhas de conscientização, a certeza da impunidade permanece. Não adianta os deputados aprovarem a lei da tolerância zero, se depois alguma órgão a contesta. Álcool e direção não combinam. Eles tiram a vida de inocentes. Eles, juntos, destroem famílias e sonhos. Mas, por algum motivo que me parece claro – injustiça vencendo – nada abala esses motoristas que sempre acham que estão bem, que fogem, que colocam em risco milhares de pessoas.

Me pergunto: até quando o Estado será conivente com isso?

Grenal da amizade

z1z1

Vem aí o Grenal da amizade em Porto Alegre. Em meio a tantas notícias de violência, de intolerância, de brigas de torcida, de socos, polícia em campo, é muito bom saber que os gaúchos promoverão um clássico em clima de paz. O exemplo virá da organização e espero que os torcedores façam sua parte. Espero, também, que os jogadores tenham garra, mas não briguem. Que a paz seja em todos os locais: na rua, na arquibancada, no campo e nas nossas vidas.

Temos que entender que futebol é paixão, mas não pode ser motivo para briga e discussão. Podemos tirar sarro, brincar, debochar. Mas é preciso um limite. Sempre penso: por que não apenas torcemos para nossos times? Por que precisamos que o rival perca? Esporte deveria ser, antes de tudo, um lado bom de nossas vidas. Espero poder levar minhas filhas a muitos clássicos, sem medo de violência. É desse exemplo que o Brasil precisa!

Porto Alegre tem 19 carros roubados por dia

17215200

 

Onde vamos parar com tamanha insegurança? Tenho me perguntando isso diariamente. Enquanto trabalho duro, não deixo de acreditar, persisto, insisto, as notícias teimam em se impor. Hoje é a insegurança em Porto Alegre. Segundo o jornal Zero Hora, nossa capital tem, proporcionalmente à frota, taxa superior às taxas de roubo do Rio de Janeiro e de São Paulo. E olha que sempre dizemos que são duas cidades muito violentas! Precisamos dar um basta em tudo! Está em nossas mãos e em nossas voz a mudança! Abaixo deixo o texto do jornal.

A tentativa de assalto para levar a caminhonete S10 usada pelo vice-governador José Paulo Cairoli, no domingo à noite, acendeu com mais intensidade o sinal vermelho: o roubo de veículos anda em ritmo acelerado na Capital. São 19 casos por dia.

A velocidade é tão alta que ultrapassa as taxas das duas maiores cidades do país. Na comparação, proporcionalmente à frota, Porto Alegre pode ser considerada a capital do roubo de carro. Mesmo o Rio de Janeiro, subjugado por quadrilhas de tráfico de drogas, e São Paulo, por facções do crime organizado, não amargam números de tamanha envergadura.

Para se ter uma noção do fenômeno, nos últimos cinco anos, a frota na Capital cresceu 17,4%, enquanto os roubos, no mesmo período, aumentaram mais do que o dobro desse percentual. Embora os emplacamentos em Porto Alegre representem 13,3% de todo os veículos licenciados no Estado, a cidade contabiliza mais da metade dos roubos, 50,4% (há três anos, era 47,7%).

Assim como Porto Alegre, o entorno também é castigado pela ação dos ladrões. Entre os municípios recordistas, a maioria absoluta está situada na Região Metropolitana. O ranking das 15 cidades mais visadas aponta que nesses locais está registrada 40% da frota gaúcha, mas ocorrem nove de cada 10 roubos de veículos no Estado.

Os índices de roubos são mais preocupantes do que os furtos (quando o carro é levado sem o dono perceber) porque envolvem violência. Por causa de dispositivos de segurança, é quase impossível levar um automóvel sem a chave original. Por isso, os criminosos abordam os motoristas, em geral, com arma na cabeça — os casos de roubo suplantam os de furtos em 70%.

É sabido que carro roubado é matéria-prima para diversos outros delitos, motivo da expressão “o crime anda sobre rodas” cunhada pelo coronel da reserva e juiz militar Paulo Roberto Mendes, ex-comandante da Brigada Militar, em 2008.

Os veículos são usados em assaltos a banco, fomentam a receptação, a clonagem e o comércio ilegal de peças. São moeda de troca para drogas, armas e cigarros contrabandeados. Além disso, são uma das principais causas de latrocínio (roubo seguido de morte), média de um caso a cada 15 dias em Porto Alegre. Não bastasse isso, o crime impõe um sobrepeso no bolso dos motoristas, com custos de seguro mais salgados.

Lei dos desmanches ainda engatinha

O roubo de veículo virou epidemia em Porto Alegre em 2006. No ano seguinte, atingiu o mais elevado número, quase 8 mil casos, desbancando, pela primeira vez, o Rio de Janeiro como capital nacional dos ladrões de carro. Depois de uma freada em 2010, voltou a acelerar em 2011 e não parou mais de subir.

Nesse meio tempo, autoridades se sucederam prometendo medidas de repressão. Em 2007, foi sancionada pelo governo do Estado a Lei dos Desmanches, com objetivo de controlar as vendas de peças em ferros-velhos. Mas a regra ainda engatinha. Oito anos depois, pouco mais de uma dezena de empresas está credenciada.

Em 2012, nasceu um projeto de instalação de 350 câmeras em 141 pontos da Região Metropolitana, que formariam uma cerca eletrônica, visando fiscalizar o fluxo de veículos e auxiliando na repressão ao crime. Orçado em R$ 20 milhões, não se tem notícia por onde anda o projeto. A Polícia Civil também padece de estrutura. Existe apenas uma delegacia especializada em combate ao crime na Capital. Procurada nesta terça-feira, a assessoria da Secretaria da Segurança Pública informou que se manifestaria sobre o assunto nesta quarta.

Estatísticas elevam preço do seguro

O crescimento dos roubos de carros tem como efeito colateral o aumento do preço do seguro. Além de mais casos em relação à frota, Porto Alegre tem, em determinadas áreas, custos mais elevados na comparação com Rio e São Paulo. Exemplo: o valor médio do seguro de um Palio 1.0, modelo 2015, pode custar R$ 1,9 mil para quem mora no centro da Capital. Se vivesse no centro de São Paulo, pagaria R$ 1,8 mil, e, no Rio, R$ 1,7 mil.

O risco de roubo e furto ou de um sinistro com perda total do veículo representa cerca de 15% na composição da tarifa. A estatística de casos, referente à frota segurada, é monitorada diariamente pelas companhias, avaliando os índices por rua, por bairro e por tipo de veículo. Cada uma dessas variáveis é levada em conta na hora de calcular o valor do seguro.

— Se em um bairro há incidência de roubo de um tipo de automóvel, o preço vai aumentar em média 10% para aquele endereço, para equilibrar os custos das seguradoras — afirma Eduardo Ricci Fante, dono da Fante Seguros.

Ele explica que, em algumas regiões, as companhias oferecem, embutidas no preço das apólices, ferramentas de proteção, como rastreadores veiculares para reduzir o risco de roubos.

Fonte: Zero Hora

Conta de luz vai ficar de 37% a 66% mais alta em 2015 no RS

2008092295726

Prepare-se, de novo! A conta da luz para nós, gaúchos, poderá subir até 66% em 2015.  Fico imaginando o impacto disso na vida do cidadão comum, do empresário, das escolas, das micro e pequenas empresas.

Por que o governo não investe no combate à corrupção? Se não houvesse tantos escândalos, teríamos dinheiro suficiente para investir e evitar que o trabalhador pague a conta da incompetência do governo. Dilma e Tarso engaram o povo gaúcho em 2014. Forjaram a redução da conta de luz para ganhar votos. Agora, pagamos a conta em dobro. O aumento de mais de 50% da conta de luz cairá no colo do novo governador, Sartori, que nada tem a ver com a gestão anterior, ineficiente. E Dilma? O que dizer da falta de transparência? Nos enganou reduzindo a conta em um ano eleitoral e agora vem com esses aumentos absurdos.

Sempre digo que precisamos pensar muito nas nossas atitudes.  Na hora de votar, não podemos esquecer o passado. Temos que lembrar que para evitar o rombo em nossas contas bancárias, para pagarmos tudo em dia, para não deixarmos faltar nada em casa temos que apertar o cinto. Coisa que o governo não faz. Ou vocês já viram o governo falando em economizar nas contas e gastos de seus ministros e assessores?

A gente, que vive a vida real, deixa de andar de carro para economizar na gasolina; desliga as luzes em casa e usa menos ar-condicionado para economizar na conta de luz. Troca os alimentos mais caros por mais baratos. Mas só a gente faz isso. Em Brasília, as pessoas do governo seguem esbanjando mordomias com o dinheiro que nós economizamos.

Para saber mais sobre o aumento da energia elétrica no RS, acesse aqui.

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien