Rede decide que não vai ocupar cargos na direção do PSB

7hgvx5cedcg8q76a6soe7ot4s
O coordenador-executivo da Rede Sustentabilidade, Bazileu Margarido, disse neste domingo (13) que nenhum membro do partido vai ocupar cargo na direção do PSB. De acordo com ele, o diálogo entre a Rede, da ex-senadora Marina Silva, e o PSB, do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, se dará por meio de comitês.

“A decisão da Comissão Nacional Provisória é que nenhum membro da Rede, mesmo aqueles que se filiaram ao PSB, irá participar das instâncias nacional ou estaduais [do PSB]”, disse Margarido a jornalista em Brasília. Marina participou da reunião, mas se retirou no início da entrevista coletiva sem falar com a imprensa.

De acordo com ele, a oferta do PSB para que membros da Rede ocupassem cargos de direção no partido foi “um gesto generoso.” Entretanto, a comissão avaliou que seria importante que a separação fosse mantida para “caracterização da coligação” e para que “cada partido mantenha a sua identidade.”

No último dia 5, a ex-senadora Marina Silva assinou sua ficha de filiação ao PSB, partido presidido pelo governador de Pernambuco, Eduardo Campos, após o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rejeitar o registro do partido que ela fundou, o Rede Sustentabilidade, por falta de comprovação do número de assinaturas de apoio previsto em lei.

Marina havia sido convidada por outras legendas, como PPS e PEN. O dia 5 de outubro era o último dia para que qualquer pessoa com intenção de disputar as eleições de 2014 se filiasse a um partido – pela legislação eleitoral, quem quer concorrer nas eleições deve estar filiado ao partido um ano antes da eleição.

Coleta de assinaturas
Margarido disse ainda que a comissão decidiu retomar o processo para revalidar as assinaturas de apoio à criação do partido recusadas pelo TSE, além da realização de campanhas para coleta de novas assinaturas.

Além disso, segundo ele, será aberto processo para “filiações políticas” à Rede Sustentabilidade, e para criação dos diretórios estaduais do partido.

O coordenador informou ainda que a coligação com o PSB foi respaldada e aclamada pela Comissão Nacional Provisória da Rede. E que a direção vai buscar o diálogo com os militantes que ficaram insatisfeitos com a aliança.

“Esse momento [de descontentamento dos militantes] não está superado. Nós vamos dialogar com a militância da Rede, mas houve aqui uma expressão forte de apoio e respaldo dessa decisão [coligação com o PSB]”, disse.

Pesquisa
Margarido também comentou o resultado da pesquisa Datafolha, publicada neste domingo pelo jornal “Folha de S. Paulo”, e que mostra que a presidente Dilma Rousseff ficaria com a maior parte dos votos dos eleitores de Marina Silva, caso a ex-senadora realmente não concorra nas eleições de 2014.

Segundo o levantamento, Dilma receberia 42% dos votos de Marina. O senador Aécio Neves (PSDB) ganharia 21%, e Campos, 15%.

Para Margarido, o intervalo entre a decisão de Marina de se filiar ao PSB e a realização da pesquisa foi muito pequeno para avaliar a transferência dos votos e, por isso, ela “reflete apenas parcialmente os desdobramentos” do apoio de Marina a Eduardo Campos.

“As consequências dessa coligação ainda estão em curso e ainda vão ser percebidas mais claramente pela sociedade nos próximos dias, nas próximas semanas, nos próximos meses”, disse ele.

Fonte: G1

Leave a reply

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien